You are currently viewing Olena Zelenska, primera-dama da Ucrânia, no centro da cena política – 24/07/2022


Profissionalmente roteirista, Olena Zelenska, a primeira-dama da Ucrânia, passou dos bastidores para o centro da cena política desde a invasão russa, fazendo sua voz ser ouvida em favor do povo ucraniano.

Diferente de Volodimir Zelensky, um dos atores mais conhecidos do país antes de sua eleição à presidência em 2019, sua esposa de 44 anos não tinha a mesma disposição para ocupar cargos públicos.

No começo da ofensiva russa, ela passou várias semanas escondida, mudando de refúgio para outro enquanto as tropas de Moscou se aproximavam de Kiev.

Ela surpreendeu o mundo esta semana quando se dirigiu ao Congresso dos Estados Unidos para pedir um maior apoio Ocidental à Ucrânia.

“Ajudem-nos a pôr fim a este horror contra os ucranianos”, implorou, chorando, aos representantes americanos. Ela mostrou imagens de crianças aleijadas quatro meses após o discurso por videoconferência de seu marido.

Zelenska se destacou por ser a primeira esposa de um líder estrangeiro a dirigir-se ao Congresso, sendo ovacionada por isso.

No entanto, a arte da diplomacia não é natural para ela.

“Sempre fui uma personalidade não pública e não gosto da atenção extra que recebo”, comentou a roteirista para a revista francesa Elle um mês antes da ofensiva.

“Em dois anos e meio como primeira-dama, muitas coisas mudaram para mim. Estou ciente de que o destino me dá uma oportunidade única de me comunicar com as pessoas”, acrescenta.

Olena Kiachko, seu sobrenome solteira, é formada em arquitetura e cresceu na região central da Ucrânia, em Kryvy Rig, de onde também vem seu marido.

O casal se conheceu aos 17 anos e a amizade virou romance quando começaram suas carreiras na indústria do entretenimento, ele como comediante e ela escrevendo suas piadas.

– Não vou entrar em pânico –

Eles se casaram em 2003, antes de se mudar para Kiev e dar à luz Oleksandra, agora com 17 anos, e Kyrylo, com 9.

Desconhecida para o público no momento da eleição de seu marido em 2019, Olena afirmou não ter sido avisada quando seu esposo decidiu disputar à presidência.

Assim como todo mundo, descobriu a candidatura pelas redes sociais e achou difícil apoiá-lo em eventos oficiais no começo do mandato.

“Ela é uma pessoa de dever”, explica Anna Chapliguina, especialista em etiquetas. “Não como Michelle Obama”, muito confortável no centro dos holofotes, mas como “Kate Middleton em seu início” na família real, compara.

“Nunca sonhou nem aspirou virar primeira-dama. Acabou ali por acaso e em meio a uma crise planetária”, resume Chapliguina à AFP.

Quando foi dormir no dia 23 de fevereiro, na véspera da primeira ofensiva, Zelenska não imaginou que não voltaria a dormir ao lado de seu marido pelos próximos meses.

Embora Volodimir Zelensky estivesse decidido a não fugir das forças russas, sua esposa se escondeu com as crianças. Eles suspenderam as campanhas a favor da melhora das comidas escolares e a promoção da língua e cultura ucraniana no exterior.

“Não vou entrar em pânico e chorar. Estou tranquila e tenho confiança”, assegurou a seus compatriotas em uma mensagem publicada no Facebook.

– Mais vidas salvas –

Nas semanas seguintes, a família só pôde ver Volodimir Zelensky em suas aparições nas redes sociais e na mídia.

A entrada de Zelenska em cena aconteceu no dia 8 de maio em uma reunião com a primeira-dama americana, Jill Biden, no oeste da Ucrânia.

Desde então, a ucraniana cumpre tanto sua agenda de contatos com as esposas dos líderes quanto seus discursos e entrevistas.

Nos Estados Unidos, comoveu os legisladores com imagens de Liza Dmitrieva, uma criança que havia conhecido mas morreu em um ataque russo na semana passada, em Vinnytsia, centro da Ucrânia.

Para Aliona Guetmantshuk, diretora do New Europe Center, um laboratório de ideias em Kiev, o toque pessoal de Zelenska ajuda a “reforçar a mensagem” sobre a situação crítica em que seu país se encontra.

“Fala sobre necessidades humanitárias, que é um tema comum para a primeira-dama. Mas também mostra que, no caso da Ucrânia, mais ajuda militar é sinônimo de mais vidas salvas”, acrescenta a diretora do laboratório.

ft-pop/mab/zm/ms

© Agence France-Presse





Source link

Deixe um comentário